Tratamento de sequelas do Covid-19 com maconha medicinal será debatido no Fórum Delta 9


Médica Paula Dall Stella (foto: divulgação).

No Rio Grande do Norte, mais de 500 pacientes buscaram ajuda da ONG Reconstruir para tratamento com cannabis medicinal neste período de pandemia de Covid-19. São pacientes com patologias como ansiedade, depressão e insônia.

Para além dessas doenças, há aquelas pessoas que foram contaminadas pelo covid-19 e sofrem com sequelas. E para muitas dessas sequelas existem estudos que sugerem que extratos de cannabis podem auxiliar no tratamento da infecção por coronavírus, já que interferem, de forma positiva, no controle de inflamações no organismo do doente.

Sobre essa questão, a médica Paula Dall Stella – pioneira na prescrição de cannabis medicinal no Brasil – vai ministrar uma palestra no Fórum Delta-9, que ocorre entre os dias 7, 8 e 9 de junho, pela internet.

O Fórum Delta 9 é considerado um dos maiores fóruns voltados para a temática da Cannabis no Brasil e é produzido em parceria com a Associação Reconstruir, do RN.

Em sua sexta edição, o evento terá palestras com especialistas brasileiros e internacionais sobre várias questões que envolvem a maconha. As inscrições podem ser feitas pelo site delta9brasil.com.

Ainda sobre o tratamento das sequelas do covid-19 com extratos de cannabis, a médica Paula Dall Stella comenta que uma das situações responsáveis pelo agravamento da doença é a “tempestade de citocinas”.

As citocinas são proteínas do sistema imunológico responsáveis por regular o processo inflamatório. Em alguns casos, com inflamação generalizada, os pacientes da covid-19 podem desenvolver fibrose pulmonar: quando se formam espécies de cicatrizes no tecido do pulmão e, consequentemente, dificuldades respiratórias.

“Estudos já comprovaram os efeitos antiinflamatórios e imunomodulatórios de alguns componentes encontrados na Cannabis. O THC e CBD, por exemplo, atuam em vias inflamatórias similares ao Covid, só que do lado oposto, protegendo nosso organismo do ataque de substâncias tóxicas”, explica a médica. “O CBD e THC agem nos receptores endocanabinóides, que estimulam respostas analgésicas e anti inflamatórias. Os mecanismos antinflamatórios também podem proteger o pulmão de lesões tardias como a fibrose pulmonar”.

Paula Dall Stella ressalta que o uso combinado dos compostos encontrados na maconha podem influir de modo ainda mais amplo no tratamento.

“A cannabis e seus derivados possuem ações que se relacionam a melhora do estado geral, pois podem combinar múltiplos aspectos terapêuticos, como redução da ansiedade, da dor, modular o estresse e melhorar a qualidade do sono e do humor. Essas ações combinadas melhoram a qualidade de vida dos pacientes com infecções e doenças múltiplas, não somente a Covid-19”, esclarece a médica.

Previous Aprovação do PL que autoriza o cultivo de maconha medicinal pode beneficiar 2,5 mil pacientes no RN
Next Deputada potiguar é a favor do Projeto de Lei que legaliza cultivo de maconha para fins medicinais

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.